11. Monografia – Pica-paus e Torcicolo

Em Portugal há três espécies de pica-paus:

Peto-real-ibérico – Picus sharpei

Pica-pau-malhado – Dendrocopos major

Pica-pau-galego – Dryobates minor.

Em Espanha há mais três:

Picamaderos negro – Dryocopus martius

Pico-mediano – Dendrocopos medius

Pico dorsiblanco – Dendrocopos leucotos, que é uma espécie muito pouco comum, com uma população de cerca de uma centena de casais que habitam alguns bosques na região do Pirinéu navarro.

Da mesma família dos Piciformes, Picidae, existe também, tanto em Portugal como em Espanha, o Torcicolo – Jynx torquilla.

Pica-pau-malhado macho

Os pica-paus são epécies que se alimentam de insectos que, em geral, procuram  explorando e escavando os troncos de árvores com o bico. Estão bem adaptados para isso. Têm patas com dois dedos virados para trás e dois para a frente. Nos troncos, na vertical, usam as penas da cauda como apoio. Têm uma língua muito comprida e afiada que utilizam para conseguir capturar os insectos em orifícios profundos. Cavam a madeira com grande eficiência, criando buracos de dimensões consideráveis que utilizam como ninhos. Para o efeito têm uma cabeça “à prova de choque”.  O tamborilhar para escavar as árvores é fácilmente ouvido e reconhecido mesmo a consideravel distância. As espécies maiores taborilham mais forte e com menor ritmo. As menores têm um tamborilhar mais fraco e mais rápido. O tamborilhar é utilizado como uma espécie de”canto”. O verdadeiro canto de algumas espécies é inconfundivel, podendo dizer-se que é semelhante ao relinchar de um cavalo.

Os pica-paus são algumas das aves de que mais gostamos.

O peto-real-ibérico

O peto-real ou peto-verde é o maior dos pica-paus existente em Portugal.  O seu nome científico é Picus sharpei. Em inglês é designado por “Iberian Green Woodpecker” e em espanhol por “pito real”.

Com 30 a 36 cm de comprimento e 45 a 51 cm de envergadura, de plumagem verde e amarelo dourado, com manchas vermelhas e pretas, são aves muito espectaculares.

Peto-real macho

Poder observá-las e fotografá-las de perto é uma sensação especial que manteremos nas nossas recordações.

Peto-real macho
Peto-real macho

No macho os bigodes são vermelhos; na fêmea são pretos.

 

Peto-real fêmea
Peto-real macho

O peto-real é um dos pica-paus que mais se alimenta no solo onde gosta de capturar  formigas.

Peto-real fêmea
Peto-real macho

Apesar do colorido muito vistoso da sua plumagem, o peto-real é mais fácil de ouvir do que de ver. O seu canto é inconfundivel.

Peto-real fêmea no arvoredo
Peto-real fêmea quando estava a nevar suavemente.
Peto-real macho
Peto-real macho depois de um nevão.

 

O pica-pau-malhado

O pica-pau-malhado, dendrocopos major, é em espanhol referido como “pico picapinos” e em ingês como “Great Spotted Woodpecker”. Tem 23 a 26 cm de comprimento e 38 a 44 cm de envergadura.

Pica-pau-malhado macho

É uma espécie ladina e irrequieta que gosta de se ocultar movendo-se para o  lado da árvore em que fica escondido do observador.  Mas, curioso, gosta de vir espreitar.

Pica-pau-malhado macho

O seu tamborilhar é uma constante das matas da nossa região. É bastante fácil de observar mas, sendo muito arisco, é dificil de fotografar se não estivermos bem escondidos.

Pica-pau-malhado macho

O macho tem uma mancha vermelha sobressaindo no alto da cabeça. Na fêmea o topo da cabeça é preto. Acima do bico há uma pequena mancha que é amarelo torrado a laranja no macho e creme na fêmea.

Pica-pau-malhado fêmea
Pica-pau-malhado fêmea
Pica-pau-malhado macho
Pica-pau-malhado macho
Pica-pau-malhado macho
Pica-pau-malhado macho
Pica-pau-malhado macho
Fêmea de pica-pau-malhado no arvoredo.

Pica-pau-médio

O pica-pau-médio, dendrocopos medius, não existe em Portugal.  Em Espanha, onde está considerado em risco de extinção, é designado por pico mediano.

A diferença entre os sexos não é tão clara como nas espécies anteriores.  A fêmea tem o vermelho da coroa mais baço e o vermelho no alto da cabeça não se prolonga tanto para a nuca.

Pica-pau-médio macho
Pica-pau-médio fêmea

Pouco frequentes, são uma espécie muito apreciada pelos observadores de aves. Como o nome indica, são aves de tamanho intermédio entre o pica-mau-malhado e o pica-pau-galego.

Pica-pau-médio fêmea

A primeira vez que  observámos e fotografámos esta espécie foi há três anos,  em 2016, nas imediações dos Picos de Europa, quando um exemplar apareceu, por alguns minutos, num abrigo em que estávamos a fotografar passeriformes e pica-pau-malhado.

Pica-pau-médio fêmea

Posteriormente, em Março de 2019, tinha falhado uma tentativa de fotografarmos esta espécie a partir de um abrigo em que era suposto aparecerem.

Passado cerca de um mês, regressámos à região, e de novo procurámos um abrigo para fotografar esta espécie. Tinha nevado bastante e aproveitámos para nos entretermos a fazer algumas fotos de passeriformes com neve. A certa altura começamos a ouvir, a alguma distância, um canto de pica-pau, que nos pareceu ser o canto do pica-pau-médio.  Depois aproximou-se e passou a haver um canto de resposta, o que nos fez suspeitar de que estaria um casal na vizinhança. E, com grande emoção, passados alguns minutos desceram para os poleiros dos abrigos, primeiro o pica-pau-mediano macho, depois a fêmea, depois o casal, ainda que sem nos darem a oportunidade de fotografar o par em conjunto.

No dia seguinte, noutro abrigo, quando procurávamos fotografar o pica-pau-preto tornámos a ter boas oportunidades para fotografar o pica-pau-médio, desta vez com mais luz, ainda que não fosse da direcção ideal para este tipo de fotografia.

Pica-pau-médio macho
Pica-pau-médio macho
Pica-pau-médio macho
Pica-pau-médio macho
Pica-pau-médio macho

 

 

Pica-pau-médio macho

 

Pica-pau-preto

É muito grande. Com 40 a 46 cm de comprimento e 45 a 51 cm de envergadura é notorimente maior que o peto-real. É um espectáculo.

A força com que dá as bicadas nos troncos das árvores é impressionante. Saltam lascas de madeira a cada golpe.

Como o nome indica é preto, quase totalmente preto. Apenas o topo da cabeça tem uma zona de vermelho vivo. No macho, uma grande mancha desde o bico atá à nuca; na fêmea, uma pequena mancha na parte de trás do topo da cabeça.

Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto fêmea

O nome científico é Dryocopus martius. Em Espanha dá pelo nome de “pito negro” ou “picamaderos negro”. Em Inglês responde por “Black Woodpecker”.

Fizemos, até agora, quatro sessões para tentar fotografar esta espécie.

Na primeira sessão, em Março de 2019, só apareceu a fêmea, ainda muito cedo, cerca das 8 horas da manhã, sendo necessário fotografar com sensibilidade de 12800 ISO para conseguir obter umas poucas imagens. A segunda sessão no dia seguinte não resultou. Nem macho nem fêmea.

No mês seguinte, noutros abrigos, os resultados foram muito melhores. Logo de manhã apareceram macho e fêmea, estiveram bastante tempo e voltaram várias vezes. A luz era pouca e estava a nevar.  Conseguimos assim algumas fotos do pica-pau-preto a nevar o que nos deu muito gozo.

Pica-pau-preto macho quando estava a nevar
Neva abundantemente. No arvoredo, ao longe, vê-se um pica-pau-preto. Acabará por se vir a aproximar e permitir fazer muitas fotos com imagens bem detalhadas.

Na mesma manhã, macho e fêmea tornaram a aparecer. Estiveram nos poleiros próximos do abrigo, permitindo efectuar muitas fotografias, tanto do macho como da fêmea, em poses e acções diversas. Aqui ficam alguns exemplos.

Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto fêmea
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho revolvendo as aparas de madeira num buraco de um tronco

Dois dias depois, da parte da tarde, voltamos ao mesmo abrigo. Sabiamos que a direcção da luz não seria a ideal para este tipo de foto, mas esperávamos conseguir algumas imagens interessantes e mais originais. Não ficámos desapontados.

Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Pica-pau-preto macho
Retrato de Pica-pau-preto macho

Pica-pau-galego

Tem o nome científico  Dryobates minor, sendo em espanhol “pico menor” e em inglês “Lesser Spotted Woodpecker”. Como o nome indica é um pica-pau pequeno, com 14 a 16 cm de comprimento e 24 a 29 cm de envergadura.

Esta é uma espécie que considero muito difícil de fotografar.

Só em duas ocasiões conseguimos obter fotos desta espécie, que são de uma qualidade muito baixa. Num caso íamos de carro a fotografar picanços-barreteiros quando ouvimos um tamborilar muito rápido e lá estava: um pica-pau galego a picar no pau de uma tabuleta indicadora de coutada.

Pica-pau-galego macho

Noutro caso, estava no meu abrigo de tela a fotografar chapins e trepadeiras quando ouvi ao lado o som de um pica-pau. Como do abrigo não o conseguia avistar, saí e com a câmara que tinha na mão consegui o registo que, apesar da sua muito fraca qualidade, aqui mostramos.

Pica-pau-galego macho

Torcicolo

Esta é uma espécie muito diferente dos restantes membros da familia dos piciformes, tanto na aparência como em comportamento. É designadamente incapaz de escavar madeira, mas, como os pica-paus, tem uma língua comprida que usa para capturar insectos. De resto, o seu comportamento é mais semelhante a um passeriforme do que a um pica-pau. A designação científica é Jynx torquilla. Em espanhol é conhecido por “torcecuello” e em inglês por “Eurasian Wryneck”.

É uma ave relativamente pequena, com 16 a 18 cm de comprimento e 25 a 27 cm de envergadura. A plumagem é em tons de castanho e cinzento tendo no peito umas pintas em forma de seta que são características. É estival em Portugal, pouco comum como nidificante e raro como invernante.

Tivemos oportunidade de fotografar um que nos surgiu, bem destacado no topo de uma árvore, na região das Minas de São Domingos.

Torcicolo

Mais recentemente, e com maior qualidade, conseguimos algumas fotos tiradas a partir do abrigo na última sessão em que estivemos a fotografar o pica-pau-preto.

Torcicolo
Torcicolo

 

 

 

1 comentário em “11. Monografia – Pica-paus e Torcicolo”

  1. Parabéns Henrique!
    É sempre um prazer ler os seus artigos inseridos no seu birdbook. Um trabalho extraordinário.
    Muito obrigada !

Responder a Ana Mendes do Carmo Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *