8. Monografia – Coraciformes: Guarda-rios, Abelharuco, Rolieiro e Poupa

A ordem dos Coraciformes agrupa quatro espécies de aves que são das mais coloridas e vistosas da nossa região:

  • O Guarda-rios alcedo atthis;
  • O Abelharuco merops apiaster;
  • O Rolieiro coracias garrulus;
  • A Poupa upupa epops.

 

 

8.1 – O Guarda-riosalcedo atthis

Guarda-rios fêmea

O Guarda-rios – alcedo atthis é uma das espécies de aves que é conhecida na linguagem comum por muitos nomes. Pica-peixe, Martinho-pescador, Rei-do-mar, Bordaleiro, Juiz-do-rio, Raio-azul, são alguns deles.

Um Guarda-rios cuidando das suas penas.

Trata-se de uma pequena ave residente, relativamente comum, presença habitual em muitos curso de água,  com um colorido brilhante, azul metálico e laranja, com um longo bico e patas pequenas vermelhas, que mergulha e voa a uma velocidade surpreendente. Avistar um Guarda-rios, pousado ou em voo, é um acontecimento inesquecível.

Costuma pousar em pedras ou paus junto às margens, de onde vigia as suas potenciais presas, pronto a lançar-se num rápido mergulho para as capturar.

O canto é agudo e penetrante como pode ouvir-se clicando na seta.

É o único dos nossos Coraciformes em que é clara a distinção entre os sexos. O bico do macho é todo negro, a base da mandíbula inferior do bico da fêmea é avermelhada.

Guarda-rios macho.
Guarda-rios fêmea.

Os juvenis são menos coloridos e têm inicialmente as patas pretas.

Guarda-rios juvenil exercitando as asas.
Guarda-rios juvenil já bem desenvolvido com o vermelho das patas a começar a aparecer.

O Guarda-rios é territorial e defende a sua área de alimentação e de nidificação de outros Guarda-rios.

Alimenta-se essencialmente de peixes e de crustáceos, embora possa também ingerir insectos.

Guarda-rios preparando-se para engolir um pequeno peixe

Uma das presas usuais dos Guarda-rios é o lagostim-de-água-doce. Como a casca desta espécie é bastante resistente, o Guarda-rios, quando captura algum, bate com ele violentamente contra o poleiro para partir bem a casca antes de o engolir.

Guarda-rios com um lagostim-de-água-doce.
Guarda-rios com um lagostim-de-água-doce a que partiu a casca

Quando um Guarda-rios é sobrevoado por qualquer  ave que considere como potencial ameaça vigia-a com o bico virado para cima numa posição defensiva em que parece um punhal.

Guarda-rios em posição defensiva. Um Gavião sobrevoava a área.

O Guarda-rios nidifica em buracos escavados em barreiras de terra. Cria uma a três ninhadas por ano com posturas de 6 a 7 ovos.

 

8.2 – O Abelharucomerops apiaster

Casal de Abelharucos.

O Abelharuco – merops apiaster – é uma ave extremamente colorida: castanho, laranja, amarelo, azul, verde, preto e branco, com olhos vermelhos brilhantes. Os sexos não se diferenciam.

 

Um trio de Abelharucos.

É uma ave migradora estival no nosso país, onde se reproduz. Agrupa-se em colónias de algumas dezenas de casais que escavam os ninhos em terrenos arenosos consolidados.

Abelharuco junto ao ninho
Casal de Abelharucos junto ao ninho

Alimenta-se de insectos, em especial abelhas e vespas que captura em voo. Antes de os engolir, esfrega estes insectos contra o poleiro para lhes extrair o ferrão.

O voo dos abelharucos é espectacular tanto pela sua velocidade como pela capacidade de manobra.

Abelharuco em voo.
Abelharuco em voo.

Uma colónia de Abelharucos é ruidosa e pode ser ouvida e reconhecida a boa distância.

Abelharuco em voo com uma abelha no bico
Abelharuco
Abelharuco
Abelharuco

8.3 – O Rolieirocoracias garrulus

Rolieiro com uma aranha no bico

Ao contrário das outras espécies de Coracioformes que são comuns os Rolieiros – corracias garrulus – são pouco frequentes no nosso país.

 

Rolieiro
Rolieiro

Ainda que não tenham cores tão garridas como o Guarda-rios ou o Abelharuco, são espectaculares, com o dorso acastanhado e vários tons de azul, desde o azul turquesa ao azulão. Particularmente em voo constituem um espectáculo admirável.

Rolieiro em voo
Rolieiro em voo

Trata-se de uma espécie estival que escolhe a região de Castro-Verde, no Alentejo, para nidificar. É considerado raro, contando-se apenas cerca de 100 casais. Alimenta-se de insectos, em particular de gafanhotos, e também de aracnídeos.

Rolieiro com o seu petisco preferido
Rolieiro fazendo exercício

O canto dos Rolieiros é inconfundível.

Casal de Rolieiros
Casal de Rolieiros namorando

Escolhe para nidificar buracos em edifícios e ruínas. Aprecia bastante as “caixas ninho” que actualmente são colocadas à sua disposição em vários locais da sua zona de veraneio. Às vezes é bom dar uma ajudinha à natureza.

Rolieiro junto ao ninho
Rolieiro junto ao ninho
Rolieiro juvenil à entrada do ninho. Este exemplar já estava bastante desenvolvido e saiu do ninho no dia seguinte a ser feita esta fotografia.
Rolieiro a utilizar uma caixa ninho
Rolieiro juvenil
Rolieiro juvenil

Os Rolieiros são os maiores dos nossos Coraciformes. Com um bico potente, são uma espécie agressiva. Na região de Castro-Verde competem com os Francelhos, tanto por alimento como por locais para nidificar. Não é raro ver Rolieiros a perseguir Francelhos para os afastar da zona que consideram ser o seu território.

Rolieiro

Há fortes indícios que esta lindíssima ave se encontra em regressão em Portugal e também em Espanha. Seria importante que se adoptassem algumas medidas de protecção desta espécie tão característica das zonas de estepe cerealífera.

8.4  – A Poupaupupa epops

Poupa com filhotes no ninho

Sem as cores vistosas das outras espécies de Coraciformes, a Poupa não é de todo uma ave discreta. Pelo contrário, com as asas às riscas pretas e brancas e com as plumas da cabeça formando um tufo que abre em vistoso leque, é uma ave que dá muito nas vistas. Talvez seja mesmo uma das aves mais bem conhecidas da generalidade das pessoas.

É uma residente muito numerosa, possivelmente com dezenas de milhares de casais no nosso país. Numa observação de campo não se consegue distinguir o macho da fêmea.

Casal de Poupas

Alimentam-se de insectos e de aracnídeos que capturam no solo, mesmo que seja necessário escavar para os encontrar.

Uma Poupa com uma larva no bico.
Poupa

O canto da poupa é muito conhecido e facilmente identificável.

As Poupas nidificam em cavidades nas rochas, paredes ou nos troncos de árvore.

Poupa à entrada do ninho
Poupa em voo levando um insecto para o ninho
Uma poupa alimenta um filhote no ninho
Poupa junto ao ninho onde se vê um filhote
Poupa chegando ao ninho levando comida para um filhote esfomeado.
Poupa junto ao ninho onde se vêem dois filhotes ansiosos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *