7. Monografia – Os Milhafres (actualizada em Novembro de 2017)

Na Península Ibérica há duas espécies de milhafre, o Milhafre-preto (milvus migrans) e o Milhafre-real (milvus milvus). São duas espécies de aves de rapina com aspecto semelhante mas comportamento sazonal diverso. O Milhafre-preto é estival com uma população em Portugal que se estima em 800 a 1600 casais, sendo raros os exemplares que se avistam no inverno. O Milhafre-real tem uma pequena população residente (50 a 100 casais nidificantes em Portugal) que é aumentada durante o Inverno com migrantes oriundos da Europa Central.

Milhafre-preto
Milhafre-real

A designação dos milhafres em espanhol é semelhante à portuguesa – Milhano negro e Milhano real. Em francês também é muito parecida – Milan noir e Milan royal. Em Inglês os milhafres são designados por Black Kite e Red Kite, mas, a designação Kite estende-se a várias outras espécies de rapinas que não são milhafres. Por exemplo, o Peneireiro-cinzento Elanus caeruleus é designado em inglês por “Black-shouldered Kite”. Os ingleses designam também por kite aquilo a que nós chamamos papagaio de papel. Têm bastante razão; o voo acrobático de um papagaio de papel é muito semelhante ao dos milhafres e muitíssimo diferente do voo dos papagaios verdadeiros.

Milhafre-preto
Milhafre-real

De facto, ambas as espécies de milhafres têm um voo muito elegante e aparentemente fácil, descrevendo curvas acentuadas, sendo o do Milhafre-real, com a sua longa cauda ruiva muito bifurcada (em forma de “rabo de bacalhau”), particularmente vistoso.

O canto das duas espécies de milhafres é semelhante, mas pode ser diferençável.

Canto do milhafre preto:

Canto do milhafre real:

O Milhafre-preto ou Milhano-preto, (C 50-60cm, Env 130-160cm, sexos semelhantes) tem, como o nome indica, uma coloração relativamente escura mas, ainda que menos colorido que o Milhafre-real, está muito longe de ser preto.

Milhafre-preto
Trio de Milhafres-pretos
Milhafre-preto

É, durante a primavera e verão, uma ave de rapina bastante comum nas regiões que frequenta. Em Portugal é particularmente abundante no Baixo Mondego, no Alentejo e em algumas regiões da Beira Interior.

Não é usual no Minho, no Douro Litoral, na Estremadura e no Algarve. É uma espécie oportunista que frequenta aterros sanitários e estradas, alimentando-se de animais vivos ou mortos, capturando peixes, coelhos, repteis, anfíbios, crustáceos e insectos.

Milhafre-preto
Milhafre-preto
Milhafre-preto

É um migrador pós-nupcial precoce, com chegadas a Portugal a partir de Fevereiro. Os indivíduos que passam a Primavera e Verão em Portugal invernam em África, a Sul do Sara. Instalam os ninhos em árvores, em geral junto à parte superior da copa. Nidificam isoladamente ou em pequenos grupos.

Par de Milhafres-pretos
Milhafre-preto
Milhafre-preto

O regresso a África ocorre a partir de meados de Julho, atingindo o máximo da migração em Setembro.

O Milhafre-real, também chamado Milhafre-rabo-de-bacalhau, Milhano ou Papa-pintos, é um pouco maior do que o Milhafre-preto (C 60-70cm, Env 145-160cm, sexos semelhantes). Tem uma tonalidade mais clara que o Milhafre-preto e predominam tons ruivos ou avermelhados. Grande cauda muito bifurcada avermelhada.

São aves espectaculares, tanto a voar como poisadas.

Milhafre-real
Milhafre-real
Milhafre-real

A alimentação é variada e semelhante à do Milhafre-preto.

Nidificam em árvores, em geral, de grande porte.

A chegada dos invernantes dá-se a partir de Setembro e, principalmente, em Outubro e Novembro.

Milhafre-real
Milhafres-reais
Milhafre-real
Milhafre-real
Milhafre-real
Milhafre-real
Milhafre-real

 

Em condições favoráveis é fácil distinguir o Milhafre-real do Milhafre-preto. Em voo o Milhafre-real distingue-se pela cauda maior, mais bifurcada e com tons alaranjados.

Milhafre-real
Milhafre-real
Milhafre-real

Quando poisado, o Milhafre-real apresenta a cauda mais comprida, ultrapassando claramente as pontas das asas e tem uma coloração às manchas na cobertura da parte superior das asas. No Milhafre-preto é uniforme.

Em condições menos adequadas as duas espécies podem confundir-se.

1 opinião sobre “7. Monografia – Os Milhafres (actualizada em Novembro de 2017)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *